sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Romeu


Romeu, Romeu! Ah! por que és tu Romeu? Renega teu pai, despoja-te do nome, ou então, se não quiseres, jura ao menos que amor me tens, porque uma Capuleto deixarei de ser logo. (…) Meu inimigo é apenas o teu nome. (…) Sê outro nome! Que há num simples nome? O que chamamos rosa, com outro nome teria igual perfume. Assim Romeu, se não tivesse o nome de Romeu, conservara a tão preciosa perfeição que dele é sem esse título. Romeu, risca teu nome, e, em troca dele, que não é parte alguma de ti mesmo, fica comigo inteira.” [Julieta no Ato II, Cena II]

Não, não troques de nome, Romeu! Dificilmente haverá nome tão romântico quanto o teu! O auge do romantismo em cinco letras apenas, duas sílabas à vez. Forte, galante, meigo e doce. Profundamente carinhoso e cortês. Que seria dos nomes sem a cultura e arte que os cercam? Shakespeare, na sua grandiosidade, lançou ao mundo nomes revestidos de sentimentos tão marcantes que séculos após as suas peças estrearem os nomes continuam a tomar-nos de assalto e a emocionar-nos. Não há como ser indiferente a Romeu e aqui está o seu grande trunfo! Mas de onde vem Romeu antes “deste” Romeu?

O nome vem do latim tardio Romaeus que significa peregrino para Roma. Quase que se torna um primo distante de nomes como Rómulo, Romano ou o nosso antigo Romão. Todos ligados pelo vínculo ao berço do Império Romano, o coração de Itália. É sempre uma associação bonita e elegante, muito requintada que dá um toque ainda mais distinto a Romeu.

No entanto, apesar deste legado (ou talvez por causa deste legado), o nome nunca foi muito utilizado em Portugal. Entre 1920 e 1970 poucas vezes o nome ultrapassou os 15 registos anuais, mas nos anos 70, curiosamente, o número de registo subiu para os 50 registos anuais, tendo decaído no abrir da década de 80. Este interesse fugaz por Romeu deixou-o intacto, sem demasiada associação a uma geração específica, o que é ótimo: não permite que o nome envelheça! Hoje em dia continua discreto: 25 em 2013, 23 em 2014, 27 em 2015 (às portas do top 100) e 39 em 2016 (já no top 100)! Em 2014 foram usados compostos como Romeu Alexandre (gosto muito), Romeu Filipe e Romeu Manuel.

No Brasil o nome também vindo a ser pouco utilizado, tendo sido a sua época de ouro durante os anos 50! Hoje em dia também mantém o seu perfil discreto, com 33 registos apenas no Estado de São Paulo (2015) – e 34 meninos com a grafia mais internacional Romeo. Dos compostos registados nesse mesmo ano e estado, dá-se destaque a Miguel Romeu, Romeu Máximo e Tiago Romeu.

Acho que este é um nome que funciona muito bem como primeiro ou segundo nome mas fica especialmente bonito com um outro nome meiguinho (na minha opinião pessoal), como, por exemplo: Abel Romeu, Egas Romeu, Luca Romeu ou Matias Romeu. Para fazer par, recomendo outros nomes que soem românticos (temos aqui uma lista feminina e uma lista masculina de nomes românticos que podem servir de inspiração), como por exemplo Romeu & Valentim e Romeu & Aurora.

Romeu é um nome icónico, tremendamente associado ao romance, ao amor de perdição, ao amor impossível. No entanto, mantém-se fresco e pouco utilizado, é uma escolha original e moderna, com um ar de artista vanguardista! É um nome cheio de potencial, que toda a gente conhece e poucos têm a ousadia de utilizar!


Fontes consultadas:
ARPEN/SP, Behind the Name, IBGE, IRN, NameBerry, O Blog dos Nomes (Nomes Românticos), SPIE e William Shakespeare (1596) Romeu e Julieta.

2 comentários:

  1. Antes de mais nada quero dizer que adorei o texto e a foto(combinou muito bem com o nome!)
    Romeu tem a seu favor o forte apelo romântico, acho que esse é seu grande trunfo. Ao mesmo tempo a imediata associação com a obra de Shakespeare pode torná-lo um pouco caricato para algumas pessoas. Não está entre os meus preferidos(gosto bem mais do primo distante Rômulo), mas reconheço suas qualidades.

    ResponderEliminar
  2. Também gostei muito do texto. Adoro Romeu e também acho que faz compostos maravilhosos.

    ResponderEliminar