segunda-feira, 20 de março de 2017

Benita & Benito


Poucas são as vezes em que optamos por aglomerar dois nomes numa só publicação, gostamos de lhes dar o destaque merecido. Mas estes dois nomes em particular são tão raros e tão melódicos ao se os dizer em conjunto que não resisti em escrever sobre Benita e Benito ao mesmo tempo.

A primeira coisa que vos pode vir à ideia é parecer que estamos a dizer bonita e bonito (sobretudo em português de Portugal). Nada contra, até é simpático e se existem nomes como Bela ou Linda, nada de desagradável vejo em Benita e Benito se parecerem com essas essas palavras de boa conotação. Além disso, Benita e Benito sempre me lembram as palavras bonequita e bonequito, que acho profundamente amoroso quando em associação com os nomes.

São também nomes que lembram Itália com a sua doçura e melodia quase cantada, quando se os diz em voz alta. São nomes doces e pacíficos que são, nada mais, nada menos, que os diminutivos espanhóis de Benedita (muito popular em Portugal) e Benedito. Assim, sendo Benita e Benito são nomes de origem latina que significam abençoada/o.

Em Portugal, Benita teve apenas 3 registos em 1952 e Benito teve 11 registos entre 1920 e 1980. Atualmente nenhum dos nomes é utilizado, apesar de Benita ser permitido pela lista do IRN. Benito não consta da lista ou por omissão ou por proibição mesmo, dada a possível associação ao líder fascista italiano Mussolini – um argumento não muito plausível uma vez que a mesma lista admite Adolfo e Salazar como nomes próprios.

No Brasil também são ambos nomes raros: Benita tem apenas mil registos entre 1930 e 2000 e Benito tem dois mil no mesmo período de tempo. Recentemente, foram registados 6 Benitos em São Paulo (2015) e compostos como Diego Benito e Gustavo Benito. No mesmo ano e estado foram também registadas uma Iara Benita e uma Luna Benita (coisa maravilhosa)! Já em 2016 temos o registo de três meninas e dois meninos com este nome!

Benita e Benito pontuam por serem nomes doces e carinhosos, por serem familiares e por serem internacionais, capazes de serem reconhecidos em grande parte do mundo. É verdade que existe uma referência negativa relacionada com a versão masculina, mas como já muitas vezes aqui foi discutido e assumido, é a pessoa que faz o nome e não o contrário.

Que dizem de Benita e Benito?


Fontes consultadas:
Ana Belo (1997) Mil e tal nomes próprios, ARPEN/SP, Behind the Name, IBGE, IRN, SPIE.

4 comentários: