segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Nino


Nino, um nome muitas vezes criticado por comparação à sua versão feminina! Mas o trabalho d’O Blog dos Nomes também passa por desmistificar preconceitos, muitas vezes por quebrá-los. Fazemo-lo muito em relação aos nomes antigos, em relação aos nomes estrangeiros e também em relação ao género dos nomes! E confesso que a mim me dá muito gosto fazer este trabalho quase revolucionário.

Como temos vindo a escrever imensas vezes ao longo do último ano, cada vez mais se nota uma tendência mundial para usar nomes masculinos que são meigos, que são queridos e doces. E não é mentira nenhuma, basta olhar para os nossos tops nacionais e outros ranking internacionais. É cada vez mais comum que se apreciem nomes como Benício, Benjamim, Davi, Diego, Dinis, Luan ou Luca, o que me dá esperança para acreditar que no horizonte nomes como Abel, Elias, Gil, Guido, Ian, Milo ou Nilo se começarão a erguer como alternativas originais e suaves nos próximos anos!

Naturalmente, também acredito que Nino pode entrar neste bouquet de nomes simpáticos e doces para meninos sem que sofra com o preconceito de ser associado a nome de menina. Que é isso afinal?! Nina realmente é um nome muito bonito e, comparativamente, mais utilizado. Facto este que não tem de diminuir a beleza de Nino, nem retirá-la, de todo. Aliás, nem é verdadeiro dizer que Nino é a versão masculina de Nina, uma vez que Nina também surgiu como abreviatura de outros nomes com esta terminação. Torna-se fácil ver que Nino é também um diminutivo intuitivo de outros nomes, sobretudo com ar italiano, como por exemplo, Antonino ou Giannino (diminutivo de Giovanni); o que significa que, por esta via, quer Nino quer Nina não têm um significado, são apenas formas reduzidas de outros nomes.

Em Portugal sabe-se que, entre 1955 e 1980, nasceram apenas 13 pessoas com este nome, e que atualmente Nino continua em baixa com um registo em 2013 e outro em 2015. Já no Brasil, estima-se que entre 1930 e 2000 tenham nascido cerca de 800 pessoas com este nome, mais até durante a década de 70, embora em número insuficiente para marcar a geração. O que é excelente pois não dá para Nino ter um ar ultrapassado, mas em sua vez, um ar moderno!

Em jeito de conclusão, deixo a nota de que os preconceitos são importantes para organizarmos a nossa visão do mundo, nem sempre são negativos. Mas, realmente, há outros que são absolutamente desnecessários. Descartar nomes masculinos apenas porque são muito doces ou meigos parece-me um desses preconceitos – quando na sua origem está a comparação ao género feminino (atenção que há quem não goste de nomes doces e meigos em género nenhum!). Nino merece mais compreensão desse ponto de vista, e a provar o que digo, ainda neste ano a Bela Gil deu à luz o seu Nino, que se veio juntar à sua irmã Flor.

Que acham de Nino?


Fontes consultadas:
ARPEN/SP, Behind the Name, IBGE, IRN, SPIE.

6 comentários:

  1. Acho mto feio Nino, nem como apelido gosto.

    ResponderEliminar
  2. Adorei o texto! Sem dúvida é um grande preconceito achar que meninos precisam ter nomes fortes e meninas nomes mais doces e delicados. O primeiro passo é reconhecermos esses preconceitos e depois perguntarmos se eles ainda tem espaço nos dias de hoje. Acho que já é hora de superarmos vários desses preconceitos. Espero ver logo muitos Ninos por aí!

    ResponderEliminar
  3. Adoro Nino justamente pelo seu ar suave e doce, é um nome muito meigo realmente, e acho lindo nomes masculinos com esse estilo. Adoro o par Flor e Nino, acho muito harmônico.

    ResponderEliminar