sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Amadis


O próprio nome já nos dá pistas para o seu significado, e sim, tem a ver com amor, mas Amadis tem uma história bem interessante e vamos explorá-la hoje aqui!

Com as mudanças nas tendências de nomeação de meninos, em que cada vez mais se querem nomes bonitos e meiguinhos, que sejam profundamente carinhosos e internacionais, há uma série de nomes que de repente se tornam potenciais candidatos às listas das famílias. Muitos destes nomes procuram-se pela característica de serem nomes românticos e muitas vezes as únicas opções intuitivas serão Romeu, Pedro, Tristão, Valentim/Valentino e, no máximo, ainda se chega a um Aramis. Hoje há mais um que se pode juntar a esta lista e é precisamente Amadis!

Amadis de Gaula era um herói literário medieval da Península Ibérica. Ao certo não se sabe quem terá sido o seu autor, havendo algumas fontes que apontam para um autor português e outras fontes que nos dizem que a única obra completa é de Montalvo (autor espanhol), sendo amplamente divulgada pela Europa e inspirando Miguel de Cervantes quando escreveu o seu romance icónico Don Quixote. Na verdade, muitas vezes, Amadis é considerado o precursor de Don Quixote!

A História debruça-se sobre Amadis, um bebé fruto do amor errante do Rei de Gaula e de uma Infanta da Bretanha (reinos inimigos), que fora abandonado num barco à sua sorte. Acontece que Amadis é recolhido por um cavaleiro que o cria à sua imagem. Quando chega à idade adulta, parte em procura das suas verdadeiras raízes envolvendo-se em aventuras sem par, repletas de magia e perigos mil (bem à moda medieval). No entretanto, conhece Oriana da Bretanha, pela qual se apaixona perdidamente e enfrenta os mesmos obstáculos que os seus pais.  É um romance bem à moda antiga, como podem prever. Podem ler a obra integral aqui.

Na sua origem, Amadis trata-se de uma forma arcaica e ibérica de Amadeus, que vem do latim e significa amar a Deus ou amor a Deus. Permitido em Portugal, Amadis foi registado como nome próprio apenas 6 vezes entre 1920 e 1980 e nenhum nos últimos quatro anos. No Brasil também não são encontrados registos antigos ou atuais.

Amadis parece ter desaparecido do panorama português e brasileiro, mas o seu caráter romântico e meigo tornam-no uma opção bonita, histórica e muito original para 2017 e adiante, nem que seja como segundo elemento de um composto – tenho a certeza de que embelezará qualquer nome. Concordam?


Fontes consultadas:
ARPEN/SP, Behind the Name, Graça Videira Lopes (2007), IBGE, IRN, SPIE e Wikipedia.

2 comentários:

  1. Parece a junção de dois dos meus nomes preferidos para rapaz: Amadeu & Aramis :) No entanto não gostei de Amadis, não me soa bem.

    ResponderEliminar